Translate

sexta-feira, fevereiro 26, 2016

Entenda como o glúten afeta cérebro, intestino e pele

A maioria das pessoas associa a questão da sensibilidade ao glúten com problemas digestivos, tais como a doença celíaca e síndrome do intestino irritável. Além do glúten ter um efeito muito negativo sobre o sistema digestivo, ele também agrava outras regiões do corpo. As outras regiões que, na maioria dos casos, são mais afetadas são o cérebro, as articulações e a pele.
Muitos pesquisadores, incluindo o Dr. Kenneth Fine, PhD, calculam que 81% da população tem algum nível de sensibilidade ao glúten. Isto significa que o organismo produz anticorpos para algum tipo de derivado do glúten. Este mecanismo é chamado de mimetismo molecular, onde o organismo produz anticorpos para proteínas que são semelhantes à gliadina e suas diversas formas.
Muitos pesquisadores e profissionais de saúde acreditam que o ideal seria todos no planeta retirarem o glúten de suas dietas. Quando os indivíduos removem o glúten, eles notam melhoras significativas na função cerebral, em níveis de energia, na respiração, na imunidade, nos níveis de dor, e na saúde da pele.
Abandonar o glúten melhora seu cérebro
Quando comemos alimentos que contêm glúten, aumentamos uma molécula de proteína chamada Zonulin. A Zonulin funciona como um porteiro em ambos os intestinos e na barreira hemato-encefálica. Quanto mais zonulin no intestino, mais permeáveis ​​as células intestinais se tornam, e o risco de desenvolver síndrome do intestino solto aumenta.
Altos níveis de zonulin também soltam as junções apertadas no epitélio das nossas células sanguíneas. Isto permite que as toxinas e outras moléculas deslizem através da barreira hemato-encefálica. Quando a barreira hemato-encefálica é permeável, ela ativa uma resposta inflamatória no cérebro.
Ainda que seu cérebro não sinta dor, ele sofre
Reportagem completa no site Epochtime

Nenhum comentário: