Translate

quinta-feira, março 01, 2007

Crônicas & Críticas

Pesquisa para que?

Autora: Red's


Confesso que fico espantada - e, às vezes, irritada - com a quantidade de pesquisas esdrúxulas divulgadas todos os dias por cientistas do mundo inteiro. Eu fico imaginando como governos sérios ou entidades privadas podem financiar estudos tão estúpidos.

Há poucos dias vi um sensacional: "Mamar no peito aumenta chances de ascensão social". Ah, por favor! O que uma coisa tem a ver com a outra? Eles pegam um determinado número de pessoas e dividem em grupos: os que mamam mais tempo e os que mamam menos tempo. E aí eles observam o que acontece décadas depois. E associam uma coisa com a outra. Ninguém tem coisa melhor pra fazer, não?


A partir dessa teoria acima, eu poderia associar qualquer coisa à amamentação por tempo prolongado. Os que mamaram mais tinham mais chances de ficar carecas, os que mamaram menos tinham menos chances de apanhar dos coleguinhas no recreio da escola, o grupo A tinha mais chances de morrerem atingidos por um raio e o grupo B reduziu a possibilidade de atravessar a Praça da Sé sem ser assaltado.


Outra pesquisa recente foi engraçada. Dizia que os suplementos vitamínicos não aumentam o tempo de vida das pessoas. Ou seja, um grupo de loucos resolveu afirmar que tomar vitaminas e não tomá-las dá exatamente na mesma ou, em alguns casos, até pode encurtar a vida da pessoa. Não parece simplesmente bizarro? Pois é. Mas, pelo que eu entendi dos métodos aplicados, as cobaias eram pessoas altamente doentes e à beira da morte. Aí é óbvio que não tem vitamina que resolva, certo?


Dei gargalhadas com outro estudo que afirmava que os homens ficavam com os pensamentos atrapalhados quando viam uma mulher bonita. Meu Deus, eles fizeram uma pesquisa para chegar a essa conclusão? Pegaram cobaias e tudo? Gastaram dinheiro público? Não era mais fácil abrir a janela e observar o comportamento das pessoas na rua, por exemplo?


A insuperável, no entanto, eu li há uns anos. Dizia algo tipo: "Pessoas ricas são mais felizes". A única vantagem dessa inutilidade foi encher o saco das pessoas que insistem em dizer que dinheiro não traz felicidade. Mas não é absolutamente óbvio que as chances de você ser mais feliz são maiores se você leva uma vida abastada? Ou felicidade mesmo é viver num barraco e ganhar salário mínimo?


Agora, o pior de tudo são as pessoas que acreditam piamente nessas coisas. Tipo... a minha mãe. É simplesmente uma tortura. Vocês lembram daquela história de que falar em telefone celular em postos de gasolina pode causar explosão? Pois é. É mais fácil ganhar na MegaSena do que isso acontecer, mas se eu passar perto de um posto falando ao telefone e minha mãe estiver ao lado, ela é capaz de ter um ataque cardíaco, imaginando que vou levar a cidade pelos ares.


E se alguma pesquisa disser que quem come arroz a vida inteira tem 0,0000005% mais chance de ter câncer nas unhas, a minha mãe suspende o arroz da vida da família inteira, e faz as chantagens emocionais mais bizarras para que as pessoas não desobedeçam à nova ordem. Mas, é claro, parar de fumar... nem pensar!

Um comentário:

Águas da Vida disse...

Realmente existem pesquisas inuteis, uma desculpa para gastar o dinheiro do contribuinte.
Excelente post querida Red's.
Big Kiss