Translate

sexta-feira, dezembro 29, 2006

Crônicas & Críticas

Despedida de 2006
Não gosto de despedidas, mesmo as de final de ano. E me recuso a fazer retrospectiva de como foram os trezentos e sessenta e cinco dias passados, pois nos balanços de anos anteriores, o número de derrotas sempre foram maiores do que as vitórias. E nem penso nas minhas derrotas, nos meus planos não realizados e nos sonhos desfeitos, mas sim nos do meu país, do mundo e dos homens que estão sobre a superfície da Terra.

Sinto como se parte do mundo andasse pra trás, uma parte humana, enquanto outra parte avançasse acompanhando a rota da Terra, em seus movimentos perfeitos de translação e rotação como uma bailarina que, rodando sobre si mesma dá voltas num palco. Na natureza tudo é perfeito, porque somente nós, homens, não o somos?

Não gosto da queima de fogos à meia-noite, seu barulho lembra-me tragédias, mas as luzes festivas e imagens que criam no céu admiro, me emociono e vibro em esperanças para o ano que se inicia, e brindo sua chegada com taça de champanhe, e agradeço por estar vivendo essa passagem, e relembro os queridos que já não estão aqui.

Não farei planos e nem alimentarei sonhos para o ano de 2007, só quero mesmo é celebrar cada dia que viver, e neles, procurar dentro de mim em que poderei melhorar, e amar, e amar...

Feliz 2007!

3 comentários:

Ricardo Rayol disse...

É isso aí... cada dia seja um dia de sucesso ...

Fatima Gama disse...

Eu olho o ano novo como um ano que me dará as chances de ter o que não consegui neste, também não quero me despedir deste que foi um ano maravilhoso, quero que ele continue assim e acrescente mais alguma coisa, um pouco que falta e quanto a minha saúde está perfeita e continue assim, agradeço a Deus e aos amigos como vc, que foram fundamental neste ano que passou, espero que em 2007 nossa amizade seja renovada, feliz 2007 minha amiga!

Águas da Vida disse...

Esperanças? Nao sei se as cultivo, mas como todo ano sem cansar mas como num "dejavur" pedimos sempre as mesmas coisas, ouvimos sempre as mesmas coisas...Quando sera que realmente se realizarao nossos desejos?
Bom ano querida Hilda.