Translate

terça-feira, novembro 14, 2006

Crônicas & Críticas

O poder das religiões

Assistiu o filme ou leu o livro "Código da Vinci"? Ok...compreendo sua posição, eu também tive uma criação religiosa católica, fiz a primeira comunhão, freqüentava todos os domingos a missa, mas hoje meus ideais são outros, não que eu deixei de acreditar em Deus, pelo contrario, minha fé se tornou mais forte ainda após chegar a conclusão que um pequeno grupo de homens nesse planeta controlam a mente dos seres humanos através das religiões ou com mensagens sublinhadas em programas de televisão. Concordo que a religião é preciso porque a maioria dos seres desse planeta são primitivos e somente fazendo essas criaturas temerem algo freia a violência e a maldade, apesar de que ultimamente esses seres não estão importando com o castigo divino.
Por que na bíblia diz que "é mais fácil um camelo passar num buraco de uma agulha que um rico entrar nos reinos do céu"...Se os representantes das religiões desse planeta vivem na maior riqueza do mundo fechando os olhos para a miséria que os circunda? Seria contradição? Você acha que Deus tem religião? Claro que não, um ser puro e perfeito não tem partido, o homem que inventou o bussines, dinheiro envolvido entre as religiões e a maioria das guerras nesse planeta são atribuídas as religiões.
Se Jesus era na realidade um homem comum mas que se tornou especial pelos seus ideais e modo de ver o mundo isso eu concordo plenamente, mas se um grupo de pessoas fazem de sua morte um modo de comandar milhões de pessoas é tristemente satânico. Algumas pessoas deixam de ter pensamento próprio, como lavagem cerebral são entregues a religião e se tornam inconvenientes ao insistirem que seus semelhantes sejam como eles. Não seria um mundo melhor sem esse pequeno grupo de pessoas que comandam milhões de seres com suas crenças e religiões?
O bonito de uma democracia é que cada ser humano deve ter a liberdade de uma opinião do mundo em que vive.
Pense bem, e por favor nada de fanatismo, já basta o que anda acontecendo no planeta por causa do fanatismo!

7 comentários:

Fatima Gama disse...

rsr, amiga
Eu sou protestante da Igreja Cristã Maranata, não sou fanática e tenho uma cabeça ótima, não fico impondo minha opinião, tudo tem a hora certa, mas concordo com você, também acho que existe muita hipocrisia, por exemplo eu postei no sábado retrasado na Gazeta sobre aquele pastor evangélico que transava há 3 anos com um gay, saiu em todos os jornais e ele ainda era contra o projeto de lei que criava o casamento homossexual. Também acho que muitas pessoas são chatas e inconvenientes, além de muitas serem egoístas como disse, ótimo post amiga, é isto aí, belo desabafo rsrs. Bjs e um bom feriado!

Pipoquitas disse...

Olá, estou divulgando meus trabalhos, quando puder dê uma passadinha no meu espaço.
Uma beijoquita,
Bia

Hilda disse...

Religião não discuto, cada um tem sua visão, sua proporção de fé ou de descrédito. Mas discuto por que a FICÇÃO criada no livro Codigo da Vinci gerou tantos debates? Seria por apaziguar consciências? Ou como absolvição de nossos erros através da comparação com a história fictícia e nossos atos?
Como uma obra criada na imaginação de um homem, nesse século XI, pode confrontar com a Bíblia secular e pelos séculos estudada e aceita?

Já tive oportunidade aqui, no Águas da Vida de falar sobre a Sequência de Fibonacci usada pelo autor no livro. ele é matemático? Ele conhece as estruturas matemáticas? Não, simplesmente usou para criar um clima de misterio,uma charada a ser descoberta. Então como enxergar sua história sobre a vida de Jesus, como verdadeira?

Lord of Erewhon disse...

O livro referido nada acrescenta que já não se soubesse e é apenas um truque pseudo-escandaloso para fazer dinheiro.

Lord of Erewhon disse...

Quanto a Jesus... qual? O da Vulgata, o de S. Paulo?... pura mentira!
Todas as dificuldades teológicas foram sendo censuradas nos Concílios e na fogueira! Para entender quem Jesus foi é necessário remover 1000 anos de cristianismo totalitário (desde o séc. V da ortodoxia agostiniana até à aurora do Renascimento - nos primeiros 500 anos da nossa era o cristianismo foi a religião dos humildes e dos escravos e não dos intelectuais greco-romanos, e imensas religiões eram praticadas no espaço do Império), dizia, é necessário remover 1000 anos de cristianismo totalitário para se poder ter um vislumbre do Cristo histórico, mas também do Cristo místico e oculto.

eduardo disse...

Post que faz refletir basrante...

dudv disse...

Post que faz refletir bastante...