Translate

quinta-feira, outubro 19, 2006

Crônicas & Críticas

O gol contra de Pelé
Poucas horas antes de morrer, Sandra Regina fez um último pedido. Queria conversar com seu pai, Edson. Pai este que, segundo as tradições sociais, deveria estar ao lado dela no leito de morte. Mas durante toda a sua vida, Edson, conhecido no mundo inteiro como Pelé, o rei do futebol, sempre recusou-se a tomar conhecimento de sua existência.

A família telefonou para Pelé. Ele foi informado do estado terminal de Sandra, e de sua vontade de, ao menos uma vez na vida, conversar com ele. Pela última vez, antes de morrer. O que fez o ídolo, que faz campanha para a Unicef em prol das criancinhas? Passou a missão para um de seus assessores.

Fico aqui me perguntando como esse homem consegue dormir em paz com a sua consciência. Não cabe a mim ou a nenhum de nós julgá-lo sobre se ele deveria ou não aceitá-la como filha, estender-lhe os braços e amá-la. Algum bloqueio havia ali, que impedia o ex-jogador de estabelecer qualquer vínculo afetivo, ainda que fosse de reles amizade ou diplomacia, com Sandra Regina. E não se referia apenas ao fato dela ser filha bastarda, fruto de um relacionamento de Pelé com uma empregada doméstica. Pois Pelé reconheceu outra filha, Flávia Christina, espontaneamente. Sandra foi reconhecida apenas por determinação judicial.

Por mais que a sociedade hoje faça um "endeusamento" do amor entre pais e filhos, dizendo serem esses laços profundos, eternos e incondicionais, isso não é verdade. Fosse assim, não haveria tantas crianças maltratadas, abandonadas, assassinadas, estupradas, ou mesmo detestadas. Sim, conheço caso de mães que não gostam de seus filhos. Por motivos psicológicos, sociais ou espirituais, a verdade é que o vínculo afetivo entre pais e filhos não é uma matemática.

Portanto, acredito que Pelé não era obrigado a amar Sandra, nem a andar com ela de mãos dadas pela rua, nem a convidá-la para a ceia de Natal. Que pena, porque era justamente isso que ela queria dele! Porém, sentimentos existem ou não, eles não são criados a partir de uma obrigação, ainda que ela seja fruto de uma relação de sangue.

OK. Pelé poderia ter problemas emocionais que lhe impediam de enxergar em Sandra uma filha. Acontece. Somos todos humanos, fracos, e temos todos telhado de vidro, que nos impede de apontar o dedo para o erro alheio. Porém, não consigo imaginar que razões existiriam para que o jogador tivesse tamanha ojeriza da moça.

Quem a conheceu, garante que ela estava longe de ser uma pessoa cruel e oportunista, disposta a arrancar dinheiro do pai, ou fazer uso de seu sobrenome para se projetar. Quem a conheceu diz que ela tinha verdadeira obsessão em obter um mínimo de afeto por parte dele. Tanto é que pediu na justiça apenas o direito de usar o sobrenome dele, e não necessariamente exigiu qualquer quantia financeira, embora ela tivesse todo direito, por lei.

De qualquer maneira, o que impedia Pelé de ao menos ser gentil com a moça? De ao menos telefonar para ela no aniversário e no Natal, para ser diplomático? Se não podia ser pai de verdade, ao menos poderia ser civilizado. Afinal de contas, que grande mal Sandra teria lhe feito, para merecer tamanho desprezo?

Não deve ter sido nada tão horrível. Se Sandra fosse um monstro interesseiro, não teria a amizade da irmã de Pelé, que estava no velório, junto com a filha. Estava também a mulher de Edinho, filho de Pelé.

Como a vida dá voltas, não faz muito tempo eu vi Pelé chorando por causa de seu filho, que havia sido preso por envolvimento com o tráfico de drogas. E nem assim ele aprendeu a lição.

E diz o viúvo de Sandra que a moça não tinha mágoas do pai. Eu creio que o câncer poderia desmentir essa afirmação...

2 comentários:

Águas da Vida disse...

O ser humano faz coisas que até Deus duvida, so nos damos conta que tudo ilusao quando a realidade bate na porta, a morte!
Big Kiss

Samuel disse...

Adorei essa crônica. Pena que não tinha nome do autor/a (pelo menos EU não vi). Sou jornalista e estou escrevendo sobre "a memória esquisita dos brasileiros", e essa grande pisada na bola do Pelé estará no meu texto. Confira no meu site depois: www.frent.info
Obrigado.