Translate

sexta-feira, julho 14, 2006

Bia Falcão, Sílvio de Abreu e Belíssima


Depois de um longo afastamento de novelas, as primeiras cenas de Belíssima, filmadas nas Ilhas Gregas com elenco de alto nível, atraíram e fui me envolvendo na trama. E com olhar de criadora de histórias fui assistindo as teias que o autor tecia e sempre imaginando quais soluções daria a elas.

Montar situações é fácil, o difícil é convencer com as soluções e, desculpe Sílvio de Abreu, você não me convenceu. Como matar os “peixinhos”, tipo André e seu pai, o advogado Medeiros mais a secretária Ivete e deixar a “tubaroa” (hunnn ... sei, não existe, bem é a fêmea do tubarão que quero dizer), da Bia Falcão livre, leve e solta, em Paris, num loft defronte da Torre Eiffel e ainda de lambuja, em companhia do menino gigolô? E o que falar do romance mais sem tesão da Júlia com o Nikos?

Imagino que Sílvio Abreu quis dar um final fora do clichê “...o bem sempre vence”. Aplaudo qualquer coisa que saia do costumeiro, do esperado, dos clichês. Mas convenhamos, foi infeliz!

Agora fiquei pensando ... como teria fechado a trama toda se fosse a autora?

Primeiro não mataria nenhum vilão, isso é muito fácil. Talvez criasse outro personagem do tipo do André, ambicioso, másculo e lindo, sem escrúpulos, inteligente, sedutor que conquistaria a confiança da Bia e a levaria a total pobreza, a ponto de morar num cortiço e ir catar jornais e ferro-velho para vender e sobreviver, e seus asseclas, André, Kiki, Medeiros, com a derrocada dela também ficariam na miséria. O Medeiros terminaria seus dias num asilo, desses públicos. O André sofreria um acidente de carro que deixaria seu rosto todo deformado (que tristeza ... ) a Ivete se perderia de paixão pelo volúvel Alberto, que sofreria de amor pela Érica, que sequer lhe dirigiria um olhar.

Para terminar com beijos apaixonados, como o que é costume, o ambicioso da vez se apaixonaria pela Júlia que com tudo que viveu com o André, se tornaria uma devoradora de homens e aos poucos se transformaria numa nova Bia Falcão, para desespero da original. E a Vitória que se cuidasse ... Pois sou realista, nem em sonhos conseguiríamos um lugar sobre a Terra onde não houvesse vilões para continuar a eterna luta do Bem contra o Mal!

O Nikos viveria feliz e sozinho nas Ilhas Gregas, foi um ninguém mesmo na novela, junto com os outros ninguén’s que o autor criou e não soube o que fazer com eles, o Semil, a Mônica, toda família do Turco com a Grega e mais a Tosca, o filho e a namorada, e claro, o Tio Gigi. Aquelas duas ex-vedetas iriam para o asilo dos atores. O mecânico Pascoal , ah ... esse traria para minha casa de macacão e cheio de graxa, a Marília Gabriela que me desculpasse!

Ou será que Sílvio de Abreu quis copiar o que hoje acontece no Brasil? Onde os poderosos não são punidos sejam quais forem os crimes que cometerem? Onde se engana a opinião pública com palavrórios mal falados pela justiça e pelos dirigentes? Nada é resolvido, as tramas verídicas não são solucionadas, essa é a melancólica cena brasileira, mas enfatizar isso... foi muito, Sr. Sílvio de Abreu!

Mas valeu assistir Belíssima, tão cedo não acompanho mais novela!

6 comentários:

Fatima Gama disse...

Ola Hilda. Rsrs, eu prefiro o seu final também, poxa deixar a Bia impune foi sacanagem, não gostei, eu também ia adorar levar pra casa aquele indecente do Pasqual mesmo todo sujinho de graça rsr. Bom fim semana e seja bem vinda a nossa casa, parabéns pelo ótimo texto. Beijos

Águas da Vida disse...

é mesmo por ai como vc falou Hilda! A novela se espelhou na vida atual do Brasil? Os corruptos jamais serao punidos? Quem viver vera...sera?
Excelente post querida .
Big Kiss

REBELDE TEEN disse...

oi eu so vim para agradecer o comentario e falar que a gente ja tinha seu link embaixo do selo do blogstars mas agora pegamos o seu link-me e esta na opcao onde navego valeu e pega o nosso button tambem

Gabriela Iscariotes disse...

Olha, do final da novela eu só curti a parte da Bia se dando bem. O resto pode varrer pra debaixo do tapete tranquilamente.

E adorei o seu final alternativo.

Um Poema disse...

Não acompanho, embora corra em Portugal. Mas, conhecendo os teus contos, não me custa acreditar que o teu final seria superior, certamente,
Um abraço

Sónia disse...

Olá

Acompanho a Belissima sem um grande entusiamo, mas mesmo assim vou-me mantendo atenta á história.Vivo em Portugal e só ontem deu o episódio da morte do pai do Andre´, o restante foi novidade para mim, mas realmente fiquei decepcionada...

Ouvi dizer que foram gravados diversos finais.Quem sabe nós não teremos mais sorte???

Parabéns pelo blog , está interessantissimo, gostei muito

Com carinho

Sónia